algumas notas sobre a violência nos videojogos

Em Novembro do ano passado, um jovem alemão decidiu atacar violentamente professores, funcionários e alunos da sua antiga escola (Ataque a escola na Alemanha faz 27 feridos). Infelizmente, um caso não original. Da notícia (ver link) podem ser extraídas as seguintes informações:

O jovem anunciou o seu tresloucado acto em duas páginas na Internet, em que deixou uma carta de despedida

– “Grande parte da minha vingança dirigir-se-á contra os professores, as pessoa que se imiscuíram na minha vida e ajudaram a pôr-me onde estou, no matadouro”, afirma o jovem na carta

– “Eu odeio-vos a todos e à vossa espécie, desde os seis anos de idade que gozam comigo, mas agora vão ter de pagar por isso”, acrescenta a carta do ex-aluno

– segundo vários testemunhos ultimamente andava sempre vestido de negro, só ouvia Death Metal e se intitulava satanista

– A carta de despedida está ilustrada com várias imagens, numa das quais o jovem aparece com uma pistola-metralhadora.

– Alunos que estiveram com ele na mesma turma declararam também a jornalistas que ele se dedicava a jogos de computadores violentos do tipo “Counter Strike”.

– O jovem teve uma carreira escolar atribulada, era muito introvertido, ameaçava frequentemente os outros alunos, e chumbou três vezes, ainda segundo os seus antigos professores.

Este incidente trouxe à memória dos alemães o massacre ocorrido a 26 de Abril de 2002, numa escola de Erfurt, na Turíngia, em que um aluno que tinha chumbado nos exames finais de liceu matou a tiro 16 pessoas – 12 professores, dois estudantes, uma secretária e um polícia -, suicidando-se também em seguida.

Em Dezembro de 2006, surge a seguinte notícia…

Uma nova legislação proposta na Alemanha promete controvérsia. Esta define como ofensa punível por multa ou tempo de cadeia “actos de violência cruel contra personagens humanas ou de aparência humana” em jogos. As penas poderão ir até 12 meses de cadeia, e não se ficam apenas pelos jogadores, podendo ser aplicadas também aos programadores e revendedores do jogo em questão.

Jogadores de CounterStrike (entre outros…) podem ser presos… Será coincidência? Não me parece…

Não vou comentar a diferença entre “violência cruel” e não-cruel, não vou comentar as personagens “de aparência humana”, não vou comentar a idiotice de colocar na cadeia jogadores de CS e os seus programadores… vou limitar-me a colocar questões:

– repararam que o jovem ouvia death metal e andava vestido de negro?

-repararam que ele deixou uma carta de despedida na Internet?

– repararam na “acusação” feita aos professores e no desespero que a mensagem sugere?

– repararam que ele refere que é gozado desde os 6 anos (entrada no sistema de ensino)?

– repararam que ele tinha um passado escolar que mistura insucesso com violência/agressões?

– lembram-se que em 2002 já houve uma situação semelhante com um aluno alemão que assassinou 16 pessoas, suicidando-se em seguida, depois de ter chumbado num exame?

– diferenciam entre “pessoas violentas escolhem jogos violentos” e “jogos violentos tornam pessoas violentas”?

– já viram a “adrenalina” e a “testosterona” que existe nos jogos de futebol? mesmo naqueles entre amigos que terminam com tudo zangado ou com “picardias” que chegam a roçar a agressão?

claro que não… a culpa é do Counter-Strike… Curiosamente, sendo o CS um jogo de equipa e sendo impossível jogar CS com “muito empenho” e “interesse” sem participar num clã, sempre gostaria de saber mais sobre os hábitos de jogo do rapaz…

Os artigos da “Espada do Espírito” como aquele  onde se afirma que “Os jovens estão sendo inacreditavelmente condicionados para formarem o futuro exército do Anticristo.” devem ter mais  adeptos do que eu julgava…

Advertisements

Comments are closed.

%d bloggers like this: