alterações importantes na minha guilda: Free at last! I’m free!

Eu já tinha sentido alguma “tensão” (termo provavelmente excessivo…) entre membros PvEs e PvPs. Provavelmente, um conflito que tem a ver com expectativas diferentes, surgem porque existem membros que procuram coisas diferentes na guilda e nem sempre conciliáveis. A riqueza e diversidade também origina conflito, atritos. Se calhar é a mesma coisa 😀

Senti que não conseguia resolver esta “tensão”. A resolução passava sempre por ter de jogar mais tempo (e não tenho…) e utilizar mais tempo de jogo para gerir a guilda (e ando cheio de saudades de jogar sem responsabilidades…). E foi assim que decidi “passar” a liderança 😀 É tempo de voltar a jogar e deixar a gestão/responsabilidades a quem tem mais disponibilidade do que eu.

Para evitar que a guilda caísse nas mãos dos PvPs (os fundadores ou membros principais originais são todos PvEs, incluindo eu) e eventualmente fazer perigar o projecto original (criar uma comunidade com espírito de amizade e role-play sem haver grandes proibições ou obrigações, onde cada um tem espaço para jogar como gosta), decidi nomear sucessor e não convocar eleições.

A minha experiência prévia com eleições não foi muito positiva (nos Black Skorpions aquando do clan de BHD). Sinceramente, acho que quando existem vários candidatos à liderança mas a cultura/maturidade democrática nem sempre é a melhor… está tudo relacionado com a legitimação, com os processos de legitimação.

Quando os membros se juntam a uma guilda e existe um líder (muitas vezes o fundador – como em ambas as experiências que vivi), a sua legitimidade está estabelecida pela opção do membro. Só se junta quem quer, quem se junta já sabe quem é o líder. Quem não quer, quem não aceitar a liderança, não se junta ou sai.

Quando fiz eleições, da última vez, o que aconteceu foi que os membros não aceitaram a liderança eleita. Os líderes eleitos ficaram sujeitos a mais críticas do que eu… Eu gozei de alguma “impunidade” porque tinha competências sociais que me permitiam mediar os conflitos, tinha disponibilidade de tempo, fazia por gerir diferentes expectativas, e porque tinha sido o fundador do clã. Imagino que o “complexo de líder” (“eu seria melhor líder! Porque é que não fui eleito?!?”) também tenha ajudado a criar uma situação mais complicada para os meus “sucessores”. No final, fiquei com a sensação que o clã foi um projecto mais pessoal, centrado em torno de uma personalidade e que só funcionou enquanto essa persoanlidade liderou, e menos uma comunidade viva, autónoma, de todos…

Deste vez, optei por não sugerir eleições e defender a sucessão directa. Pelo menos para já, durante 3 meses. É que o DAC só aceitou a liderança se daqui por 3 meses eu voltar 😀 ou, pelo menos, se daqui a 3 meses reavaliarmos a situação… Entretanto, I’m free to game without responsabilities 😀 e para preparar o phd.

Advertisements

2 Responses to alterações importantes na minha guilda: Free at last! I’m free!

  1. Fabio Serod Pt says:

    Sou um grande fã do guild wars e desde que encontrei este seu “diario” que tenho vindo aqui sempre que posso para ler e ja faz parte dos meus favoritos
    Talvez um dia nos encontremos no jogo
    abraços

  2. nafergo says:

    Olá Fábio
    Obrigado pelo comment 🙂
    Vai comentando livremente os tópicos, dá a tua opinião qnd quiseres que é muito bem-vinda e é sempre agradável conversar e trocar ideias com quem nos percebe 😉 Sobretudo se o assunto é GW!
    Os meus char estão aí ao lado 🙂
    abraço

%d bloggers like this: