6th Annual Mod of the Year Awards

29 January, 2008

Mod Of the Year awards are out. Many Half-Life2, some CryEngine2 (Crysis engine…)… Going to download a stand-alone free Battlestar Galactica 🙂 Beyond the Red Line: http://www.game-warden.com/bsg/about.html

Anyway, here are the awards numbers by original game engine:
6 Half-Life2

2 Battlefield2

2 Crysis

2 Quake3

1 Quake2

1 Command & Conquer: Red Alert

1 Freespace2

My comments: HL2 is a winner and Quake 3 still alive 😀

Check the game mods, have some video… really nice work! All made by fans…

Advertisements

Machinima test

14 November, 2007

Did a small machinima test… just to learn a little more about game movie making 😀 planning to improve!


Still userbars

14 November, 2007

Some days ago, I wrote a little post about userbars. Actually, I had some personal sigs, couple of years ago, but in the past 2 years I’ve been using 2 userbars only at Intervir.net:

Now, I’ve created a couple of userbars and I’m planning to create some more 😀 Meanwhile, I have a profile at Userbars.org and found out that there’s also Userbars.com.

Can check the GW userbars here and here 😀


Videogames and Comics

26 October, 2007

As you might have found out, by now, I like videogames… let’s say… a lot! 😀 I also like comics, graphic novels and cartoons. So, what happens when I decide to spend my time within my “coalition of interests”? This is what happens…

Penny Arcade + Nuklear Power + Adventurers! + Concerned + CTRL+ALT+DEL + Cubetoons + Death by Pixel + Dueling Analog + Flintlocke’s Guide to Azeroth + GUComics + Hsu and Chan + Little Gamers + Looking for Group + Mac Hall + PvP + RPG World + Real Life + Snafu + Three Panel Soul + VG Cats + Extra Life

=

LOL + 28h/day


the guild

13 September, 2007

 Te Guild é uma série que pode ser decrita através da seguinte equação: World of Warcraft gamers in real life + guild + you tube + website + humor + fiction… Um exemplo que deve ter seguidores, aposto na disseminação de soluções deste tipo.


Novos heroes e GW:EN

25 July, 2007

Comprei o pre-order do GW:EN 😀 tenho 3 armas novas eh eh eh e assim vou poder jogar nos espaços novos já em Agosto, uma semana antes dos restantes. Não sei bem porquê mas acho que vai estar crowded… Deve andar tudo a comprar o pre-order 😀

E eu ando cheio de vontade de jogar com os novos heroes…

A Jora

O Pyre Fierceshot

O Ogden Stonehealer

e o Vekk


Impressões do Second Life

25 July, 2007

O que mais me impressionou no SL…

a) diversidade de conteúdos

Visitei vários espaços, bastantes relacionados com as artes, e fiquei supreendido com a qualidade de alguns espaços e com a enorme diversidade de “coisas para ver”.

b) facilidade na criação de conteúdos próprios (dos utilizadores)

Outro dos aspectos que despertou a minha atenção foi a facilidade de criação de conteúdos. Fazer upload de imagens (texturas) é fácil, criar roupa simples também. O mesmo se aplica à construção de edifícios ou de espaços arquitectónicos minimais.

É claro que nem toda a roupa é simples e nem todos os espaços são minimais. Todavia, não deixa de ser surpreendente a rapidez e facilidade com que um qualquer utilizador pode começar a criar conteúdos próprios (e com qualidade!!!). Parece-me que a parte mais difícil, na criação de conteúdos, é a modelação de itens e a programação (scripts). Ainda assim, parecem-me ambos bastante acessíveis.

A possibilidade de exportar modelos do Blender para o SL abre novas possibilidades (processos de trabalho e de níveis de qualidade das criações) muito promissoras.

c) maleabilidade/flexibilidade das funcionalidades do sistema

Para além da diversidade dos conteúdos presentes na “grid” (mas relacionada com esta), impressionou-me a variedade de eventos, a flexibilidade de um sistema que permite mais do que exibir imagens.

À partida, estava à espera de um universo muito “visual”, mais adaptado a galerias de imagens do que a conferência… Ou seja, fiquei surpreso quando encontrei cartazes a anunciar conferências (académicas/intelectuais) ou referências a concertos de música. O SL permite bem mais que exibir imagens.

d) interacção com o mundo real

Podia ser um espaço de “escapismo”, um lugar onde os residentes tinham estabelecido entre si um pacto tácito para esquecer o mundo onde estão sentados diante do monitor. Mas para não esquecermos o mundo real, também no SL lá estava um poster com a “Maddie”.

e) entretenimento dentro do entretenimento?

No SL, cada um decide aquilo que quer fazer. Claro que se aquilo que quisermos fazer implicar dinheiro (comprar roupa, etc.), temos de arranjar fontes de rendimento. Encontrar um local de “camping” ou um emprego são as soluções mais comuns. Claro está que com tanto “stress” era necessário criar espaços de lazer… Ainda assim, a quantidade de espaços de dança que encontrei é de ficar abismado. Tal como noutros locais (ver GW 🙂 parece que quando nos encontramos online, dançar é um dos comportamento “primários”. Não deixa de ser curioso… este fascínio, quase hipnótico, pelos movimentos de um corpo. Será o nosso lado mais primitivo a aliar-se à facilidade tecnológica (implementar dança em avatares não é muito complicado…)? Por outro lado, também é curiosa a necessidade de espaços de “escapismo” (algo irónico…. aqui) dentro de um espaço de “escapismo” 😀 espaços onde as pessoas se possam divertir e esquecer-se das suas resposabilidades. Pelos vistos, há coisas que são bem iguais entre a 1ª e a 2ª vidas…

f) “realismo” relativo

É um espaço virtual 3D. Limites? Poucos… As skyboxes (espécie de lojas/apartamentos construídos no ar – a propriedade inclui o eixo y 😀 são um bom exemplo disso. No entanto, a maior parte daquilo que existe são réplicas (com algum realismo ou, no mínimo, verosimilhança) de espaços reais… É claro que podemos depois ter experiências que não estão disponíveis no mundo real (saltar de pára-quedas da Torre Eiffel) mas não existe uma exploração global do lado “irreal” ou “inverosímil” só possível em espaços destes. Pouca liberdade de imaginação?

g) dimensão sexual

A quantidade de espaços/objectos/acções/eventos com carga erótica-sexual é enorme. Arriscaria mesmo dizer que é a temática omnipresente. Muito há a escrever e dizer sobre isto…